pai-e-filho-psicologo

O Papel do Pai: Qual a importância para a Psicologia?

No passado o papel hierárquico do pai dentro da família era única e exclusivamente prover o sustendo do lar.

Tido como uma figura mais rígida e distante, restava a mãe o papel de estar presente no dia a dia dos filhos e acompanhar as rotinas cotidianas da família.

No entanto, com o passar dos anos e com as mudanças da sociedade moderna, novos modelos de constituição familiar foram surgindo e as tarefas do casal passaram por uma reorganização.

 

Esses fatores atrelados a um o movimento de independência financeira das mulheres, desencadearam uma redistribuição das tarefas do lar.

Uma vez que a figura feminina passou a compor a renda do casal, as tarefas do lar como a educação e a participação no dia a dia dos filhos também passaram a ser atribuídas ao pai.

 

Nessa nova formação familiar estabelecida, ocorre naturalmente uma maior aproximação do pai com os filhos, o que acaba sendo uma experiência riquíssima que engrandece e solidifica a relação,contribuindo imensamente para a constituição do sujeito como um todo.

 

Pode-se dizer que a primeira grande tarefa que o pai pode desempenhar é a de proporcionar um ambiente seguro e acolhedor para a existência da dupla mãe e bebê.

Propiciando momentos de tranquilidade e descanso para todos principalmente para que a mãe possa sentir-se assistida.

É estar presente sem neste momento inicial ser o personagem principal e tolerar isso.

O pai deixa de ser coadjuvante quando começa a trazer a dupla para a realidade, mostrando o interdito, que existe um outro, ajudando mãe e filho a sair da relação simbiótica inicial e aos poucos ir reivindicando o seu lugar.

 

Isso, será fundante no psiquismo do bebê, para ele entender qual é o seu lugar no mundo, o ajudar a lidar com a angústia da solidão, fazendo com que sinta-se acompanhado mesmo quando está sozinho.

Por que ao mesmo tempo que joga a criança para fora dessa relação dual, o pai mostra-se forte e firme, ou seja, uma figura forte com a qual pode se identificar e confiar.

 

Para transmitir essa confiança para os filhos, o pai, ou a pessoa que desempenha essa função, tem que poder ter confiança em como ele mesmo desempenha esse papel.

Dúvidas e inseguranças fazem parte, no entanto, o sentimento de segurança deve ser predominante.

Estar em harmonia com a mãe ou com a pessoa que ajuda a desempenhar a função de criar um filho é uma maneira de apartar as angustias inerentes a esse papel.

 

Ser pai é dar exemplo, é transmitir segurança, é estar ali na hora do choro.

É muitas vezes ser duro sem ser rígido para ensinar que limites existem e que são necessários e estruturantes.

É introduzir a lei, é mostrar através de exemplos o que é certo e o que é errado.

 

É ir à escola do filho, é assistir o jogo de futebol ou a aula de balé, é rolar no chão, é ser o vilão mais perigoso ou o príncipe que salva a princesa no castelo.

É estudar, é ir a escola, é se fazer presente mesmo não estando junto o tempo todo.

 

E não existe receita para que tudo isso funcione, o importante é usar o bom senso e extrair de si o que se tem de melhor, até por que, cada um é de um jeito e a individualidade de cada um é muito importante.

 


AUTORA PSICÓLOGA URSULA PARISOTTO

 

Se você procura Psicóloga (o) ou Psiquiatra em Porto Alegre entre em contato conosco e agende sua Primeira Consulta.

Atuamos com atendimentos a crianças, adolescentes e adultos assim como avaliação neuropsicológica, avaliação psicológica, avaliação de perfil comportamental e orientação vocacional/profissional.

Curta nossa Página no Facebook https://www.facebook.com/psicoaquiportoalegre

Siga nosso Instagram https://www.instagram.com/psicoaqui/

ou Ligue 051 99975-2605 /051 99286-9750

 

COMPARTILHE

Marque sua consulta