medicação

Criança medicada e não medicalizada

Repetidas vezes chamamos a atenção para o fato do excesso de medicação, o que configura uma medicalização (Zola, 1972), que vemos acontecer nos tempos atuais.Vivemos em uma sociedade onde a maioria das pessoas tomam remédios: para dormir, acordar, emagrecer, engordar, recrear, estudar, etc.

Não nos restam dúvidas que estamos diante de um uso abusivo de medicações. Existe o que chamamos de ‘epidemia’ de diagnósticos e o que antes era considerado uma dificuldade da vida cotidiana ou uma particularidade de cada sujeito, hoje é considerado um transtorno para o qual tem que ser medicado.

Mais surpreendente e preocupante é quando atentamos para o número de crianças que tomam medicamentos para poder prestar atenção nas aulas. Muitos dos que fazem dessa forma acreditam, que os problemas ou as dificuldades que as crianças apresentam são resultados de má formação orgânicas ou neurológicas, e as tratam sem distinção. Sem levar em consideração a causa que está “por trás” e que tem relação com cada uma das crianças em particular.

Cada criança tem sua história, sua subjetividade, então, por que receitar ou ministrar uma medicação que é comum para todos, se os sujeitos são individuais?

Todo sujeito foi constituído no seio de sua família, com a marca das palavras ouvidas e dos gestos dispensados a ele, e mesmo que sejam irmãos e ou até gêmeos, eles são diferentes. São diferentes porque são seres únicos, são sujeitos que respondem de forma diferente em relação a estímulos, tantos externos quanto internos. Os primeiros Outros: a mãe, o pai, ou quem fez essa função tão importante, vai ter marcado cada filho de forma particular.

Portanto, cada sujeito é resultado do discurso parental. Como bem nos ensinou Lacan. Quando uma criança não pára quieta, não consegue aprender na escola, se envolve constantemente em brigas ou repetidamente adoece, é importante investigar a história dela. Para descobrir porque isso acontece, saber como ela está posicionada na família, como é tratada, o que ela escuta da mãe e do pai. Pois ás vezes ela é uma criança que tem muita energia e por conta disso é nomeada de “terrível” ou  de “impossível”.

Uma vez atendi uma criança e na entrevista sua mãe disse, que iria trazer ‘o diabo’, referindo-se ao filho. Essa mulher não tinha se dado conta de que com essa nomeação, não tinha escapatória para o filho, senão, comportar-se como aquele que “aterrorizava a todos na escola, no condomínio e na família”, com comportamentos impulsivos e destrutivos.

O comportamento que cada criança mostra, revela o seu sujeito do inconsciente e a constituição de sua subjetividade. E quando os pais não prestam atenção nisso, não a escuta e a medica sem necessidade, o que fazem (sem saber) é amordaçá-la e privá-la de falar sobre seu sofrimento, e assim, tiram a possibilidade de que elas possam criar recursos para resolver a verdadeira causa de suas dificuldades.

Obs: O diagnóstico precisa ser bem feito para que não tomem medicação sem necessidade. Sabemos que em alguns casos é preciso que a criança seja medicada e não medicalizada!

 

AUTORA PSICÓLOGA JÉSSICA PIAZZA

 

Se você procura Psicóloga (o) ou Psiquiatra em Porto Alegre entre em contato conosco e agende sua Primeira Consulta.

Atuamos com atendimentos a crianças, adolescentes e adultos assim como avaliação neuropsicológica, avaliação psicológica, avaliação de perfil comportamental e orientação vocacional/profissional.

Curta nossa Página no Facebook https://www.facebook.com/psicoaquiportoalegre

Siga nosso Instagram https://www.instagram.com/psicoaqui/

ou Ligue 051 99975-2605 /051 99286-9750

COMPARTILHE

Marque sua consulta